sábado, 22 de setembro de 2007

Como um pássaro no eclipse...

É que hoje amanheceu tão cinza...olhei pro céu e não vi o sol, só uma massa cinza...nuvem cinza...olhares cinzentos no chão...e o asfalto, ah, o asfalto!!
Perdida, me senti sem saber o que fazer, como um pássaro no eclipse.

"A morte da filha do céu

Naquele dia ela tomou seu último banho de chuva
Seu corpo, ainda molhado, já sentia a maldade deles
Arrancaram tudo em volta
E ela já pressentia o fim...
Lançou suas últimas lágrimas sobre aqueles malditos
que só faziam "cumprir o seu dever"

Sua vida já não era mais viável. Não para os homens.
Ela, que já tinha acolhido tantos espíritos bons,
tantos momentos tristes e felizes, tantos segredos
e juras escondidas sob seu consentimento
que já tinha ouvido o canto de tantos pássaros
e a música de tantos jovens...
que sempre se manteve ali, firme, altiva, mesmo frente a dificuldades e tormentas

Agora o céu chorava por mais uma de suas filhas
que sucumbia ao peso da fusão tempo e dinheiro

Justo ela, na qual, resgatando nacos de infância,
trepavam meninos-adultos para descansar
Mas, para eles, ela era a vilã. Ora, ela chegou antes deles!

Naquele momento eu a quis abraçar, como havia feito no dia anterior
ao saber de seu inevitável destino.
Nesse dia eu senti uma parte de mim morrer,
meu coração sangrar junto ao concreto que passou a ocupar seu lugar
Seu último desejo? Quando cair, não machucar nenhum daqueles que a mataram."

E o sol saiu.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. bonito.
    apesar de eu gostar mais de dias nublados, cinzas do que dias ensolarados, gostei.

    =)

    ResponderExcluir