quinta-feira, 27 de maio de 2010

Obviedade

Quis tanto escrever sobre o óbvio, que acabou caindo na excentricidade. O excêntrico, no entanto, com o passar dos tempos deixou a marginalidade e tornou-se o centro, o óbvio mais óbvio que ninguém jamais pôde imaginar. De seus dedos saía apenas o novo, o exótico, o inédito, mas depois era o velho, o comum, o vulgar, tudo jogado às suas costas com a fama e o peso da credibilidade. Assim, contou sua história para o mundo, ora inventando, ora revelando fatos verídicos insalubres, mas sempre rodeado de expectativas e de mulheres. Aos seus pés, puxa-sacos, aproveitadores, mais mulheres.
Sempre quis a obviedade, mas agora era o óbvio em pessoa, um peixe fora d'água com cara de comum.

Um comentário:

  1. ...eu ficaria ao menos com as mulheres. E um fliperama, de vez enquando.

    ResponderExcluir