quinta-feira, 3 de junho de 2010

Rumo

Eis que a vida segue.
Retoma seu curso e ruma pelo caminho do meio, a violenta dádiva de viver, extrema e inconstante - me perfura os pulmões com suas agressões, quando me deixo ferir.
Os caminhos são naturais: nem sempre iguais, mas sempre pra cima e evoluindo, pois mesmo que não queiramos admitir, estamos em constante aprendizado. Todas as coisas ruins são boas, tudo é bom pra quem vive sem esperar, o conforto se torna fácil, a morte se torna fácil, os relacionamentos são simples. Daqui eu não levo nada além daquilo que eu aprendi.

:: Quando chegar o momento de eu cantar
Eu cantarei um canto alegre, canto pela paz e harmonia
E todas as coisas que por mim passarem vou cantar

A vida é simples pra quem não espera nada
Além do sol, da natureza e das estrelas sempre a brilhar
E do som que emana do vento e da correnteza do mar

Hoje, no meu canto não tem guerra
Só tem amor ::

Nenhum comentário:

Postar um comentário