quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Em branco

Tanto de tinto instinto
Tento tanto que já não me contento
Tanto pranto, teu manto, meu canto
Tonteia até o tempo de não mais tentar

{De que valem as melodias, se o som já me transpassou veias e ossos, atingiu até meu sistema imunológico?}

Foi-se o tempo do mito
Agora quero o rito, o dito pelo não dito
Repito, quero o dom de dizer
Mas não tenho, não posso
E só digo palavras em branco

{Falsidade ideológica ou a falsa idéia lógica?}

Eu continuo falando sozinha (quem sabe as paredes tenham mesmo ouvidos...)
Ensaiando pra um dia
Poder mesmo me ouvir (em alto e bom tom, bemol, sustenól)
E assimilar os brancos que me preenchem por enquanto...

Um comentário:

  1. No inteto tinto de te tentar
    Tento atento ao teto de ti
    Pra te ter cá dentro
    Dentro de tanto
    Tento em esperanto ou em francês
    Não vá pirar bode montanhês!!

    ResponderExcluir