quarta-feira, 4 de maio de 2011

Muda

Quem não me entende é porque nunca parou pra me conhecer...

::A poesia é minha fuga::
Onde deixo todos os meus rastros de inescrúpulos e cegueiras
Onde a servidão se torna companheira
E aquilo que eu pensava antes é só mais uma coleção:

Tenho medo, como tudo
Pois tenho medo de mim
De me ver, de me saber
De sentir que tão humano sou divino
E isso muda
Dá medo
E muda

A mudança muda:
O sol me ilumina, me aquece
E meu medo vira dúvida
Que não muda, não muda
Fica ali, no fundo do poço da viagem gruda
A mudança não muda
Muda?

Prensa, assim, a linguagem com a língua muda
O espírito com a carne aguda
O ouvido com a nota surda
O benigno com a imagem chula.

Nenhum comentário:

Postar um comentário