quinta-feira, 16 de junho de 2011

É você

Não mais a escrita vulgar
Não mais a escrita para nós
Agora, só atos digeridos pela palavra
Só orgias frasibundas transbordando, aquele sabor azedo de contos da carochinha
e a escrita contínua...

Sanidade nunca foi meu forte
Nem poetas fizeram tanto alarde
Mas, uma curva no caminho torto da serenidade e lá está: muro intransponível da verdade, da luz, do ofuscar sombrio da claridade
Tanta certeza é esta que me afogo, me corrôo, me embriago
Me afundo no saber inoportuno, ilumino

Mais um desvio e logo o olhar
O mesmo olho fundo do espelho
Apontando aquele dedo e dizendo: é você...

Espero mesmo é uma idéia genial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário