quarta-feira, 25 de novembro de 2015

À noite I

Venda sua alma. Faça o que queremos. É uma ordem, um desejo.

A sensação é de voar pesadamente sobre um rio, e logo em seguida ter minha casa invadida por uma série de artistas macabros de todas as áreas, um a um, mostrando sua capacidade de impor suas vontades acerca do que devo ser e fazer. Agora meu pensamento não me pertence. Agora, sou um deles.

- Como é seu nome? 
- Ganesha. - com aquele sorriso largo de quem se vinga por não ter lhe dado a atenção merecida.

Eu só não queria que entrassem na minha casa assim, sem serem convidados. 

Você já nos convidou quando não impediu nossa entrada.

sábado, 26 de setembro de 2015

Amargores

Num claro momento de dizer "te amo"
Os olhos se afastam, se molham no amar:

O amar já foi mais amargo
Hoje, só maresia e canção
E amor para ouvidos cansados

Cansados de ser, se vão
Aos olhos de quem amou, se tocam
Quem ama os amares, então?