quarta-feira, 25 de novembro de 2015

À noite I

Venda sua alma. Faça o que queremos. É uma ordem, um desejo.

A sensação é de voar pesadamente sobre um rio, e logo em seguida ter minha casa invadida por uma série de artistas macabros de todas as áreas, um a um, mostrando sua capacidade de impor suas vontades acerca do que devo ser e fazer. Agora meu pensamento não me pertence. Agora, sou um deles.

- Como é seu nome? 
- Ganesha. - com aquele sorriso largo de quem se vinga por não ter lhe dado a atenção merecida.

Eu só não queria que entrassem na minha casa assim, sem serem convidados. 

Você já nos convidou quando não impediu nossa entrada.